Count

Endometriose: um carnaval de alterações…

Muito se ouve falar da tal endometriose. Mas o que realmente é a endometriose?

O endométrio é o tecido interno do útero, o qual, quando a mulher está no seu ciclo menstrual, se descola e acaba sendo expelido através da menstruação. E quando isso não acontece?  E quando esse  tecido interno acaba não sendo eliminado da forma adequada? O sangue menstrual migra no sentido oposto e acaba “agarrado” em outras regiões, como bexiga, intestino, ovários etc. Eis que surge a endometriose.

Os principais sintomas da endometriose são: ciclos menstruais doloridos, irradiando para o reto ou para o períneo; dor durante as relações sexuais, fadiga ou exaustão, alterações intestinais ou urinárias durante a menstruação, além da infertilidade.

A endometriose aparece durante a primeira menstruação e pode se estender até a última. O diagnóstico acontece quando a paciente está na faixa dos 30 anos de idade.

Após entendermos um pouco da endometriose pelo ponto de vista ocidental, vamos ver como os chineses veem essa alteração.

A maior partedas doenças ginecológicas, para os chineses, está ligada a deficiências ou estagnações do Xue (sangue) ou do Qi (energia). Nas mulheres “saudáveis”, essas duas estruturas devem estar sempre abundantes.

Quando falamos em órgãos, devemos lembrar sempre do que está relacionado à reprodução e ao desenvolvimento: o rim.

Quando o yang Qi do rim está forte, os fragmentos do endométrio que ficam aderidos na cavidade pélvica (baixo ventre) conseguem ser mobilizados, sendo facilmente absorvidos, fazendo com que o Xue (sangue) circule com um fluxo mais suave. Do contrário, esses fragmentos causam um obstrução, que chamamos de estagnação na medicina tradicional chinesa.

Os meridianos que irrigam o útero são de fundamental importância, pois, no caso de uma deficiência ou uma estagnação desses meridianos, acarretará um mau funcionamento do sistema reprodutivo. Um exemplo dessa situação é a alteração do fígado, que na medicina tradicional chinesa nutre o útero e o Vaso Penetrador (um dos chamados vasos maravilhosos). Essas duas estruturas controlam o útero e a menstruação em todos os sentidos. Por isso, quando chega o período menstrual, o chamado Chong Mai (mar de sangue) tem que ser esvaziado. Mais uma vez, o fígado é quem vai regular essa descida do Qi (energia), desta vez para o Ren Mai (Vaso Concepção). Nos casos de esgnação desse Qi (energia) do fígado, ocorrerão presenças de coágulos no sangue menstrual, diminuição do fluxo menstrual e alterações da periodicidade. Para que isso tudo ocorra de forma suave e “saudável”, é necessário que o Qi (energia) impulsione e controle o Xue (sangue).

Alguns fatos interessantes nas mulheres que apresentam a endometriose é que elas têm deficiência intensa do yin Qi (energia yin), estagnação ou aumento do yang Qi (energia yang).

Agora, vejamos se algumas das leitoras irão se identificar… Pesquisas também apontam características em comum nas mulheres com endometriose. São elas: as perfeccionistas, as autoexigentes, as que têm alta capacidade de controle e comando, além de serem ansiosas e estressadas.

Dentro do tratamento da acupuntura, ocorre o equilíbrio energético. Com isso, consegue-se o efeito analgésico, relaxamento muscular, ansiolítico e ganho em imunidade, podendo amenizar ou até mesmo interromper a doença.

Outra diga é diminuir a ingestão de gorduras, alimentos enlatados, peixes e carne vermelha, pois esses alimentos são ricos em substâncias que têm ligação direta com a endometriose. Alimentos como brócolis, couve, repolho, aipo e salsa são indicados. Os exercícios respiratórios e de relaxamento também são altamente indicados.

Espero que tenham gostado!

Na próxima quinzena falaremos um pouco sobre a saúde masculina!

Até lá!

André Jaña – Diretor da clínica Long Life Fisioterapia e Acupuntura
E-mail: editorial@riofiqueligado.com.br