“Os Javalis” em cartaz no Teatro Glaucio Gill

Imagem: © Marcio Feitas / Divulgação.

O espetáculo Os Javalis encontra-se em temporada no Teatro Glaucio Gill. Com dramaturgia de Gil Vicente Tavares e direção de Emiliano d’Ávila, a montagem é livremente inspirada no clássico O Rinoceronte, de Eugène Ionesco, e trata de questões sociais de maneira irreverente e contemporânea. As apresentações acontecem às quintas e sextas, às 21h, até 1º de fevereiro.

Marcado pelo ritmo intenso e pelos momentos de humor ― do ácido ao patético ― Os Javalis surpreende ao confrontar dois personagens, expondo-os de maneira absurda e extraordinária às mais diversas condições: dúvida, insegurança, loucura, medo e solidão.

Em cena, um homem solitário tem sua casa invadida por um pretenso vendedor que, desesperado, anuncia o fim da humanidade, devastada por javalis que tomaram conta de tudo. Inicialmente desacreditado, o dono da casa começa a ser levado pelo discurso do vendedor e por eventos estranhos que acontecem em sua casa. Uma atmosfera, entre a tensão e o humor, é criada, detonando diversas questões que levarão os dois a caminhos surpreendentes.

O diretor Emiliano d’Avila evidencia a atualidade da trama, que destaca o perigoso e potente poder de transformação e coerção de um discurso: “É uma obra que não propõe ideias ou respostas prontas e que permite aos espectadores os mais variados níveis de interpretação. Numa leitura sociológica, o texto faz uma crítica ao terrorismo – que amedronta e coage – e ao conformismo que, criando condições de submissão a uma ordem absurda, transforma o homem em uma verdadeira marionete. Inerte, ele renuncia àquilo que lhe é mais essencial e que o diferencia das demais espécies animais: a capacidade de raciocínio”, afirma.

Para o ator Lucas Lacerda, que também assina a direção de produção de Os Javalis, aponta que o texto questiona a evidente histeria de ideias, notícias falsas e ameaças que culminam na perda de referências e identidade do ser humano. “A invasão dos javalis é uma grande metáfora do que estamos vivendo hoje em dia. Essa ideia caótica, e ao mesmo tempo absurda, coloca em questão a disseminação de ideias falsas que faz com que duvidemos até de nossas próprias crenças”, conclui. Em consonância, o ator Junior Vieira acredita que “a violência está na invasão do outro, na palavra manipulada e nas ideias deturpadas sobre a fragilidade de cada um”, completa.

Temporada: 10 de janeiro a 1º de fevereiro.

Dia e horário: Quinta e sexta ― 21h.

Entrada:

  • R$ 40 (inteira);
  • R$ 20 (meia).

Infos: 21 2332-7904.

Classificação: 12 anos.

Capacidade: 100 lugares.

Duração: 60 minutos.

Teatro Glaucio Gill
Praça Cardeal Arcoverde s/n
Copacabana ― Rio de Janeiro / RJ