Count

O inverno segundo a Medicina Tradicional Chinesa

Resfriado, um dos sintomas da chegada do inverno para muitos. Imagem / Fonte: Formularium.

Como o tempo passa rápido! Olha o frio que está fazendo! Nestes dias com temperaturas mais baixas, só consigo me lembrar daquelas broncas que nossas mães sempre davam — “Garoto, você vai jogar bola, ficar todo suado e, depois, vai ficar nesse frio! Não reclame se ficar gripado, com febre…” — ou, então, das nossas avós reclamando de dores nos joelhos, coluna etc.

Mas qual é a explicação para todas essas broncas ou reclamações? Essas explicações fazem sentido? Pela Medicina Tradicional Chinesa fazem todo sentido. Para uma melhor compreensão, vamos partir do básico.

Na teoria do yin e do yang, frio, o inverno e o recolhimento, por exemplo, são consideradas características do yin, enquanto o calor, o verão e a agitação são considerados exemplos do yang.

O frio vai estar sempre associado ao elemento água, que é regido pelo rim e pela bexiga. O rim é responsável por controlar os ossos. Mas e a explicação para as dores, para a falta de mobilidade dos joelhos das nossas avós? Essa explicação é a mais simples de todas. Como o inverno é frio e o yin crescente faz com que o yang fique mais debilitado, o yang qi do rim fica muito enfraquecido, e os joelhos precisam dessa energia para ficar fortes e móveis (mobilidade tem característica yang).

Por isso as dores reumáticas se agravam durante o inverno, e as pessoas ficam mais sujeitas às câimbras e dores de cabeça, principalmente as localizadas na nuca. E estamos falando de uma situação relativamente superficial, pois, se falarmos de um quadro de frio mais aprofundado ao ponto de atingir órgãos como o yang qi do baço-pâncreas e do estômago, a coisa piora: sintomas como náusea, face pálida, diarreia e sensação de frio nos membros também podem aparecer.

O moxabustão,como uma técnica de aquecimento,  contribui para eliminar o frio do organismo.
Imagem / Fonte: Espaço Bambuí.

Outra característica das doenças de inverno é a alteração do volume da urina, assim como a mudança da sua coloração. O volume  aumenta e a cor tende a ser mais clara do que o normal.

E quanto ao resfriado? Quando ficamos muito aquecidos, a tendência é que os poros fiquem abertos. Os fatores climáticos interferem diretamente na nossa saúde, pois o vento ajuda a levar o frio ao encontro do nosso corpo. A pele é uma das barreiras de proteção do nosso organismo, e como os poros estarão abertos, o frio penetrará muito mais facilmente no nosso corpo. Isso se chama invasão do vento-frio e terá como principais sintomas intolerância ao frio, febre passageira, ausência de suor, sensação de aperto no peito ou congestionamento e o tradicional corrimento nasal com mucosidade clara.

O tratamento vai se basear na eliminação do frio que penetrou no organismo. Serão  utilizadas  agulhas assim como a técnica de moxabustão. É importante lembrar que o frio promove a contração muscular excessiva, promovendo a diminuição do fluxo energético dentro dos meridianos, e a moxabustão, por se tratar de uma técnica de aquecimento, contribuirá muito com o tratamento.

Dentro disso tudo, qual seria a melhor maneira de se prevenir?

O ideal é estar sempre agasalhado, evitar o vento direto sobre a pele, evitar os alimentos de natureza fria (natureza fria não significa comida fria), tais como a berinjela, cevada e o chá verde (sim, por mais que um belo chá ajude a aquecer, o chá verde também é considerado de natureza fria).

Chá verde, bebida não recomendável durante o inverno. Imagem / Fonte: Dicas de Saúde.

O aquecimento excessivo, como ficar em ambientes fechados e com aquecedores ligados o tempo todo ou ficar na frente de lareiras por tempo prolongado, não trará malefícios imediatos, mas, sim, na estação seguinte, ou seja, na primavera, quando provavelmente quem comete esses erros irá desenvolver quadros de febre.

Espero que tenham gostado!

Até a próxima quinzena, com mais um pouquinho do frio!

Mantenham-se aquecidos!


André Jaña
— Fisioterapeuta com pós-graduadação em Acupuntura e formação em Quiropraxia e Shiatsu. É diretor da clínica Long Life Fisioterapia e Acupuntura, é, entre outros, coordenador do curso de pós-graduação em Acupuntura da Universidade Castelo Branco e coordenador do departamento de Acupuntura da Associação dos Fisioterapeutas do Estado do Rio de Janeiro.
E-mail: editorial@riofiqueligado.com.br