Count

Joana César expõe na Galeria Athena Contemporânea

“Roxo de José Carlos — mapa da ponte e sua zona negra”, 2017. Joana Cesar. Técnica mista, 100 x 100cm.

A  exposição A ponte (onde ele disse que não posso ir) encontra-se aberta para visitação na Galeria Athena Contemporânea. Com curadoria de Germano Dushá, são cerca de 20 obras inéditas — entre colagens, fotografias, uma videoinstalação e dois vídeos — da artista carioca Joana Cesar, inspiradas no trajeto feito diariamente por ela entre o Jardim Botânico e o Jockey Clube, na Zona Sul do Rio de Janeiro, serão apresentadas.

As obras apresentadas na exposição fazem um “mapeamento” dessa área, que a artista passou a chamar de “ponte”, pois ali é uma grande reta, cercada por muros dos dois lados, onde não há prédios ou comércio. “As pessoas usam aquele trajeto para cruzar de um lugar a outro, como uma ponte. Esse trajeto tem a função de ligar dois bairros”, explica Joana, que, mais tarde, pesquisando, descobriu que debaixo da via passa um rio, dando mais sentido ao apelido de “ponte”.

“Se a ponte conecta, inevitavelmente, também se coloca como a medida da distância. Joana trafega pelas pontes — materiais, metafóricas ou mentais — com obstinação. Nesse processo de aventura e repetição, a artista parece querer dissecar tudo que lhe diga respeito, tanto o quanto lhe seja possível. Mas não para que possa entender integralmente cada aspecto do caminho, e sim para que possa vislumbrar a terrível — e implacável — dimensão do distanciamento. O hiato entre partida e chegada, entre ocorrência e percepção, entre código e decifração”, ressalta o curador Germano Dushá.

Sobre a artista

Nascida em 1974, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha, Joana Cesar cursou filosofia, jornalismo e cinema, fazendo, paralelamente, diversos cursos na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro. O desenvolvimento de seu trabalho em ateliê a leva, em 2003, para as ruas da cidade, onde passa a usar muros, calçadas, postes e viadutos como suporte para sua escrita em código, inventada na infância.

Em 2012, foi selecionada para o Programa de Aprofundamento da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Já realizou três exposições individuais na Athena Contemporânea: Nome (2014), Voragem (2013) e Fuga>Lenta (2012). No ano passado, participou da exposição Ao amor do público, o Museu de Arte do Rio, que possui obras da artista em seu acervo. Participou, ainda, das mostras Da escrita, Delas, Elas (2015), no Museu da República; 6ª Bienal de Arte de Búzios (2013); Gramáticaurbana (2012), no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. Ainda em 2012, foi convidada para participar da II Bienal Mundial da Criatividade, no Rio de Janeiro, e fez grande intervenção nos braços de sustentação da Avenida Perimetral.

Abertura: 27 de abril — 19h às 22h

Visitação: Até 17 de junho

Dias e horário: Segunda a sexta — 11h às 19h / Sábado — 12h às 18h

Entrada franca

Galeria Athena Contemporânea
Avenida Atlântica, 4240 – 210/211 — Shopping Cassino Atlântico
Copacabana — Rio de Janeiro
Tel.: 21 2513-0703