Exposição na Caixa Cultural Rio de Janeiro reúne trabalhos de artistas contemporâneos brasileiros

Superfícies sensíveis Pele | Muro | Imagem apresenta 20 obras que discutem tensões entre o corpo e a cidade

iris-Helena_Notas-Publicas-n.22010Imagem: “Notas Públicas”, de Iris Helena.

Até 4 de março, a Caixa Cultural Rio de Janeiro apresenta a exposição  Superfícies sensíveis | Pele | Muro | Imagem, que reúne trabalhos de 21 jovens artistas contemporâneos brasileiros, realizados no início do século XXI. Sob curadoria de Ícaro Ferraz Vidal Jr. e Laila Melchior, a exposição aborda a temática da superfície como potência, possibilidade crítica e estética, apresentando obras que estão conectadas ao passado de nossa arte ao mesmo tempo que indicam rotas para o futuro.

Entre fotografias, vídeos e pinturas, serão expostos 20 trabalhos de nomes como Alexandre Vogler, André Parente, Bruno Baptistelli, Felipe Morozini, Fernanda Gomes, Fernando Gonçalves, Filipe Acácio, Iris Helena, Járed Domício, Juliane Peixoto, Katia Maciel, Manoela Medeiros, Matias Mesquita, Milena Travassos, Néle Azevedo, Raoni Shaira, Raphael Couto, Ricardo Theodoro, Yana Tamayo, Yuli Yamagata e Yuri Firmeza.

A pele, o muro e a imagem articulam-se de diferentes modos nas obras selecionadas, discutindo as fronteiras entre o corpo e a cidade, bem como suas tensões e desafios cotidianos. Investigadas pelo olhar dos artistas, essas camadas do mundo despontam como áreas paradigmáticas, zonas de atrito e penetração, percebidas não como fragmentos invisíveis do quotidiano, mas como focos privilegiados de nossa atenção: a pele é o maior órgão do corpo e quase todo contato humano é realizado com sua mediação; o muro abriga os corpos e delimita interditos por força de sua extensão, comunica e separa diferentes tipos de espaços; as imagens, por sua vez, habitam o mundo de tal modo que ora é possível e somos convidados a atravessá-las, ora se transformam em barreiras intransponíveis.

Segundo os curadores, a exposição desloca, desde o seu título, o privilégio concedido historicamente ao que se encontra na profundidade do mundo. “O uso corriqueiro e moralizante do adjetivo superficial para desqualificar uma pessoa ou coisa supostamente desprovida de valores testemunha o privilégio correntemente atribuído ao profundo. Se tendemos a opor o superficial e o profundo nos mesmos termos em que opomos o dentro e o fora, o alto e o baixo, Nietzsche, por outro lado, ao elogiar os gregos, embaralha os pares desta oposição afirmando que eles seriam ‘superficiais ― por profundidade!’”, afirmam. “Restituir a sensibilidade às superfícies é estender ao mundo o que Paul Valèry já havia belamente percebido no humano: que o que há de mais profundo é a pele”, complementam os curadores.

Visitação: 10 de janeiro a 4 de março.

Dias e horário: Terça a domingo ― 10h às 21h.

Entrada franca

Classificação: 14 anos

Acesso para pessoas com deficiência.

Caixa Cultural Rio de Janeiro ― Galeria 3
Av. Almirante Barroso, 25 ― Centro ― Rio de Janeiro
(Metrô e VLT: Estação Carioca)
Tel.: 21 3980-3815